Uma das vítimas foi a filha do aposentado Alcides Cândido. Ele nunca havia ouvido falar do seguro até ser roubado. “Ela estava na rua e foi abordada por um rapaz. Eu tinha comprado um bom celular pra ele, pago quase R$ 2 mil e fiquei no prejuízo. Tive que comprar outro aparelho, mas agora fiz o seguro porque achei muito interessante e não quero passar novamente por essa situação”, comenta Cândido.

O preço do seguro varia de 20% a 30% do valor do aparelho e vale pelo período de um ano. Em caso de furto ou roubo, a cobertura é total. Em uma corretora de seguros, que atende o país inteiro, mas tem escritório em Rio Preto, o número de contratos só neste início de ano aumentou 300%. Na região de Rio Preto, o aumento foi de 50%. “Nós temos hoje no mercado aparelhos celulares muito sofisticados, com preços muito agressivos, e todo seguro compensa à medida que ele te livra de um prejuízo inesperado”, explica o diretor executivo da corretora Carlos Alessandro Gomes. Com o aumento da procura, a corretora acredita que até o fim do ano o crescimento da procura no noroeste paulista possa ser maior, de até 80%.

O sonho de Gabriela Rodrigues era um smartphone. A mãe gastou R$ 1 mil no aparelho e como muitas amigas da filha já tiveram o celular roubado, Daniela não quis arriscar. “Comprei o celular, que já achei bem caro e o seguro me deixou menos preocupada, por não ter problemas de ser roubada. É um investimento muito bem gasto, eu fico tranquila e ela também”, explica a mãe Daniela Rodrigues.

A Secretaria de Segurança Pública disse que toma medidas para combater o roubo de celulares, entre elas, a determinação para que a própria polícia ligue paras operadoras para bloquear os aparelhos roubados.

27/04/2015 / Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *