CRISE: MANTENHA O QUE TEM!

"Bolso

O País, como é público e notório, está em crise: Inflação voltando, juros subindo, produção industrial caindo, desemprego aumentando, carga tributária nas alturas, enfim, as notícias não nada agradáveis. O que fazer quando a economia não vai bem? Aonde investir? Como conservar seu patrimônio?

Estas e outras questões são comuns em tempos como esses. Quem já passou por outras crises semelhantes sabe como é viver na incerteza do dia de amanhã.  Há, muitas vezes, um sentimento de pânico, uma histeria coletiva apontando para o fim dos tempos. Ninguém sabe o que fazer e se agarra nas coisas que tem, sem investir, sem arriscar, sem mudar a atitude. 

Em tempos de crise o medo de perder é maior que a vontade de ganhar.

Segurado deve ficar atento a cláusula de exclusão de apólice

Ao contratar um seguro, é preciso estar atento não apenas às coberturas contratadas, mas também às chamadas cláusulas de exclusão. São tópicos que se referem a situações e procedimentos adotados pelo consumidor que podem levar ao não pagamento do benefício.

"Atenção"

No seguro de vida, por exemplo, as mais comuns são a omissão de doenças preexistentes e o suicídio nos dois primeiros anos de contrato.

Veja ranking dos 10 carros mais vendidos no Brasil em setembro.

Alta na venda de automóveis foi de 5,9% no último mês; ao todo, 293.961 unidades foram comercializadas no País

A alta na venda de veículos em setembro foi de 5,9%, anunciou nesta quarta-feira, 2, a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Foram, ao todo, 293.961 unidades comercializadas no Brasil.

Embora o modelo mais vendido seja da Volkswagen, a montadora que mais comercializou foi a Fiat, com 63.207 unidades (21,99% no mercado).

A montadora Volks vem na sequência, com 55.940 carros (19,03% de participação), General Motors, com 50.683 unidades (17,24%) e Ford, com 28.437 (9,67%).

Motorista alcoolizado que se envolve em sinistro não tem direito ao seguro do veículo

"CarrinhoA 4ª Turma Cível do TJDFT negou, em grau de recurso, ação de um motorista contra a Seguradora Alfa Seguradora S/A, na qual pedia a condenação da empresa a lhe pagar a indenização do seguro contratado. De acordo com a decisão do colegiado, “o nexo de causalidade entre o estado de embriaguez do condutor/segurado e o acidente automobilístico faz legítima a recusa da seguradora em responder pela indenização securitária”.

O segurado afirmou que solicitou o pagamento do seguro na via administrativa, no entanto teve o pedido negado pela seguradora, que invocou o motivo da embriaguez como causa do agravamento do sinistro. Depois disso, o autor ajuizou ação de cobrança defendendo que o acidente não decorreu do seu estado etílico e sim da irregularidade da pista. Alegou ter direito à indenização nos termos da apólice contratada. Requereu o montante de R$ 70.756,00, dos quais R$ 58.756,00 relativos aos danos ao seu automóvel; R$ 2.000,00 pelos danos causados a veículo de terceiro; e R$ 5.000,00 por cada um dos dois óbitos decorrentes do sinistro.

Susep fecha associação que vendia Seguro Pirata em Minas

Em mais uma importante ação contra a venda de seguros piratas no Brasil, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) obteve liminar, junto à Justiça Federal de Minas Gerais, impedindo que a Associação de Proteção a Veículos Automores (Pró-Veículos) de continuar comercializando, de forma ilegal, seguros automotivos. A ação se estende aos dirigentes da associação."Dura

Caso a Pró-Veículos não acate a decisão judicial, pagará multa no valor de R$ 10 mil para cada evento acionado. Estes valores deverão ser recolhidos pelo Fundo de Defesa de Direitos Difusos (FDD). A decisão colocou em indisponibilidade todos os bens, incluindo valores depositados em instituições financeiras, da associação e de seu presidente, a fim de garantir as obrigações dos réus ao final do processo.