LiveZilla Live Help
Idade média de carros nos EUA sobe para 11,5 anos, maior que no Brasil - Blog Indústria do Seguro

Seguros com Segurança.

Blog sobre seguros e coisas afins.

  • Página Principal
    Página Principal Aqui você pode encontrar todas as postagens do blog
  • Tags
    Tags Mostra uma lista de tags utilizadas no blog.

Idade média de carros nos EUA sobe para 11,5 anos, maior que no Brasil

em em Mercado de automóveis.
  • Tamanho da fonte: Maior Menor
  • Increver-se para receber atualizações
  • Imprimir

Informação é da consultoria IHS, especializada no setor automotivo.

A idade média da frota de carros nos Estados Unidos subiu para 11,5 anos, segundo pesquisa anual da consultoria IHS Automotive, especializada no setor. O levantamento foi concluído em janeiro deste ano e a média é a maior desde que a consultoria começou a medir esses dados.

carros velhos - sucata

“Desde que acompanhamos a idade média dos veículos, ela tem aumentado gradualmente devido ao aumento da qualidade dos automóveis”, explica Mark Seng, da IHS.

Outro fator que contribuiu para o aumento da idade média da frota é que os consumidores estão demorando mais para trocar de carro, aponta a pesquisa.

No primeiro trimestre deste ano, a média de tempo que um consumidor ficava com o carro era de 77,8 meses (cerca de 6 anos), 26 meses (pouco mais de 2 anos) a mais do que no primeiro trimestre de 2006.

O levantamento concluiu ainda que quem compra um carro usado nos EUA tende a ficar com ele por 63 meses (cerca de 5 anos), também 25 meses a mais do que em 2006.

 

Como é no Brasil:

No Brasil, a idade média dos veículos – considerando automóveis, caminhões e ônibus – também subiu, para 8 anos e 8 meses, em 2014, de acordo com o sindicato dos produtores de autopeças, o Sindipeças. É o mesmo patamar de 2010. Dali para frente, houve 3 anos de queda e 1 estável. Para o sindicato, o envelhecimento da frota se deve à queda nas vendas de carros novos nos últimos dois anos.

Uma pesquisa da Telefónica, divulgada no ano passado, apontou que o brasileiro troca de carro a cada 1,7 ano, o ciclo mais curto entre 5 países avaliados, entre eles os EUA (3 anos, segundo esse levantamento).

 

Oportunidades para os ‘velhinhos’:

O volume de veículos com até 5 anos de uso  nos EUA deverá subir até 24% nos próximos 5 anos, enquanto os que têm de 6 a 11 anos deverá cair 11%, projeta o IHS. Já o número dos que têm 12 anos ou mais continua subindo e deverá aumentar em até 15% até 2020.

No Brasil, os veículos com 6 a 10 anos de uso são 26%, ainda de acordo com o Sindipeças. Os de 11 a 15 anos, 15%. De 15 a 20 anos, 14%.

Para o analista do IHS, as oficinas atualmente focam no atendimento dos veículos da faixa de 6 a 11 anos, mas deveria se preparar para atender mais aos carros com mais de 12 anos. Isso porque os carros de 6 a 11 anos atualmente representam 81 milhões de unidades nos EUA. Mas, se somados aos de até 13 anos, chegam a 108 milhões e, junto com os carros de mais 14 anos, 120 milhões.

 

Peso da crise

“Nos últimos 5 ou 6 anos após a crise, a idade média (dos carros) subiu cinco vezes mais do que o ritmo tradicional, o que nós atribuimos à queda de quase 40% nas vendas de veículos novos entre 2008 e 2009″, observou Seng.

Agora, segundo o analista, o crescimento da idade média da frota voltou a se estabilizar, “já que os consumidores conseguiram se recuperar da recessão e começaram a comprar carros de novo”. Assim, a idade média da frota deve atingir 11,6 anos em 2016, mas não chegará a 11,7 anos antes de 2018.

 

Licenciamento bate recorde

O número de veículos leves licenciados foi de 257,9 milhões, um aumento de mais de 5,3 milhões em relação a 2014 e o maior desde que o IHS começou a levantar esses dados.

O volume de carros que deixaram de ser usados chegou a 11 milhões ou 4,4% da frota.

 

 

Fonte: G1, em São Paulo.

Agende conosco o vencimento de seu seguro!   Veja o que nossos clientes falam de nosso trabalho.

Contrate seus seguros Online.

SUSEP :10.0302767   |   Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.  |   Procon-RJ