Produção e venda de auto em queda no semestre

As seguradoras de automóveis devem esperar uma desaceleração nos negócios envolvendo carros leves, caminhões e ônibus novos. Tudo porque a produção de veículos registrou queda de quase 15% em junho sobre o mesmo mês do ano passado, tendo em vista o enfraquecimento da atividade econômica brasileira. A fabricação de junho totalizou 184 mil unidades, segundo a Anfavea, a associação de montadoras. No semestre, a queda da produção alcançou 18,5% -1,277 milhão de unidades- superando a estimativa da entidade, de 17,8%, para 2,58 milhões de veículos.

"Gráfico-decrescente"

Danos corporais não protegem ocupantes do veículo segurado

No momento de se contratar um seguro para proteger o veículo e os danos que ele possa causar a terceiros, os contratantes possuem a opção de também proteger os ocupantes do automóvel segurado. No entanto, devido ao fato de constar da apólice a cobertura para danos corporais, o segurado tem a falsa impressão de que a cobertura abrange os danos que possam ser causados também aos ocupantes do carro, incluindo o condutor.

"Colisão"

Reclamaram de você? Faça um seguro!

Se você é profissional liberal, já deveria conhecer e ter contratado o E&O

Existe uma modalidade de seguro de responsabilidade civil direcionado aos prestadores de serviço. Conhecido como E&O (Errors & Omissions ou Erros e Omissões, em tradução simples), seu objetivo é garantir o reembolso das reclamações de clientes e usuários que venham a acionar a justiça em função de danos (corporais, materiais ou morais) por ações ou omissões involuntárias na prestação de um serviço.

"Homem

Depois da Lava Jato, seguro fica mais caro para executivos

"policiaPara evitar riscos, seguradoras restringem cobertura em apólices de companhias envolvidas em escândalos

Fazer seguro para conselheiros de administração e diretores de companhias envolvidas na operação Lava Jato está mais caro. Especialistas apontam que valores cobrados pelas seguradoras (os prêmios) aumentaram à medida em que fraudes foram reveladas.

Conhecido como D&O (abreviação em inglês para directors and officers), o contrato transfere para a seguradora a responsabilidade de arcar com os custos de um processo ou condenação contra quem toma decisões nas empresas: os conselheiros e diretores, que são cobertos em caso de erro não intencional. “As seguradoras vêm trazendo vários obstáculos para a subscrição do seguro, o que antes não havia”, afirma Paulo de Toledo Piza, do escritório Ernesto Tzirulnik Advocacia. “Essa cautela não faz muito sentido, pois o seguro não cobre o dolo”, complementa.